quarta-feira, 30 de junho de 2010

Desemprego


Este é o flagelo do século 21 em todo o mundo mas será mais duradouro em Portugal ou até infindável, devido ao inexistente desenvolvimento a nível social e empresarial, como a falta de profissionais altamente qualificados, e empresas com avanço tecnológico inovador, a falta de cérebros para inventarem e criarem novos produtos, ou melhor, eles existem mas não estão cá, porque não lhes deram condições e oportunidades para ficarem cá, e claro, foram aplicar as suas ideias onde lhes deram liberdade e apoio para usarem e abusarem das suas ideias e as porem em prática. Por cá investiu-se em formações apressadas, 9º e 12º ano por baixo da mesa para tentar tirar da prateleira possíveis profissionais, mas que mesmo assim são profissionais só no papel, porque de facto não ficaram a saber muito mais do que sabiam antes, e logo que confrontados com a realidade dos trabalhos a que se destinam, esbarram-se com inúmeras dificuldades, por falta de conhecimento aprofundado da matéria, ou seja formaram-se profissionais com um rótulo falso.

Depois temos os países que escravizam os trabalhadores com salários miseráveis, o que faz com que os produtos sejam muito mais baratos que nos outros países, e faz com que os empresários oportunistas corram para esses paraísos empresariais, mas que são infernos laborais.

Portugal vai ter sempre este problema do desemprego muito elevado, a não ser que muita coisa mude para melhor, principalmente as ideias retrógradas, as ideias de que só castigando os trabalhadores e favorecendo os empresários, vai resolver a situação, é um absurdo, e não é nem nunca será a solução, pelo contrário, só vai piorar as coisas socialmente, e o desenvolvimento ficará sempre na mesma ou pior, ao darem todas as facilidades aos empresários para empregarem ou poderem despedir com toda a liberdade, é a mesma coisa que ter o trabalho de caçar e matar um coelho e depois deita-lo fora, é brincar com a dignidade humana, porque as pessoas não são robots ou uma simples máquina à espera que quando houver trabalho, são admitidas, e quando não houver, são despedidas, depois voltam a esperar que sejam admitidas, ou tentar arranjar outro trabalho, entretanto vão-se alimentando de ar e vento.

Mas os governantes não usam a cabeça, nem pensam nas dificuldades do povo, eles criaram os problemas e agora como não têm capacidade de resolve-los, atiram-se ao povo, como lobos esfomeados, para tentar salvar o que não tem salvação, arruinaram o país de tal maneira, que são capazes de pôr o povo a pão e água, só para ficarem bem na fotografia da EU, depois dizem que estão sozinhos a puxar o país para a frente, pois estão e estarão, porque os burros estão a ficar cansados de puxar carroças enferrujadas, com as rodas tão presas que parecem estar coladas ao chão, escrever e fazer leis e pô-las em prática é fácil, o pior é quando o povo já não tem dinheiro para uma sopa ou um simples pão e ainda tem que ajudar a nação a pagar uma divida que nunca chegará a ser paga na totalidade, afinal sempre estivemos e estaremos endividados, porque a riqueza não cai do céu, mas também nunca soubemos criá-la.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Quem somos?


Desde os primeiros tempos que o ser humano começou a ter a noção de que era um ser inteligente que se interroga sobre a sua existência. Quem somos? De onde viemos? Para onde vamos? Estamos sós no universo? São perguntas que ainda hoje fazemos e até os mais qualificados astrónomos e cientistas fazem e também ainda não têm respostas conclusivas sobre este enigma que nos apoquenta e deixa-nos cada vez mais ansiosos por saber quem somos realmente.

Com as tecnologias de hoje e com o avançado conhecimento e estudos desenvolvidos por cientistas de todo o mundo, tem havido algumas revelações espantosas da vida na terra, sobre como apareceu, como evoluiu e como se desenvolveu a inteligência, mas ainda há muitas dúvidas sobre vários aspectos, sobre tudo no que diz respeito à formação da vida e sua evolução na terra e o que mais tem dado dor de cabeça à comunidade científica, é se estamos sós no universo, e se estamos, o porquê de tamanho milagre num planeta tão pequeno, em relação a muitos outros, num universo de uma imensidão fenomenal, como dizia o grandioso cientista, biólogo, grande estudioso e divulgador da astronomia, Carl Sagan, autor da colossal obra, em livro e série televisiva, COSMOS, dizia ele: se estivermos sós, é um grande desperdício de universo, ou seja, num universo onde se calcula que haja centenas de milhares de milhões de galáxias e cada galáxia com centenas de milhares de milhões de estrelas, com os respectivos planetas, enfim, são números imensamente grandes para a nossa compreensão, e imaginar que estamos sós, só podia ser uma grande coincidência, um grande milagre, mas também não teria muito sentido, a natureza juntar toda a vida existente no universo num ponto só, para termos uma ideia do tamanho do universo, segundo dizem os astrónomos, o universo terá entre quinze a dezoito mil milhões de anos e a sua matéria expandiu-se à velocidade da luz, sabendo que a velocidade da luz está calculada em mais ou menos, 300.000 km por segundo, um ano tem 31.536.000 segundos, ficamos a saber que, durante um ano, serão percorridos, 9.460.800.000.000 km, esta é aproximadamente a distancia que se percorre durante um ano à velocidade da luz, é o que tecnicamente se dá o nome de um ano luz, multiplicando este numero por, 15.000.000.000 de anos, isto deve andar à volta de, 142.012.000.000.000.000.000.000 km, o tamanho de raio, de diâmetro será o dobro, no mínimo. Este é um cálculo muito básico, apenas para ter uma ideia aproximada, não são valores reais, porque este cálculo está baseado apenas nos estudos que até agora foram possíveis realizar e que o homem conhece, visto que o universo ainda continua em expansão, o seu tamanho poderá ser incalculável ou muito para lá da nossa compreensão e imaginação, e já há grandes cérebros da astronomia, a pensar que até poderá haver outros universos paralelos a este, nada é impossível no espaço, pois este não tem tamanho, ele é infinito, não tem fim, é muito difícil imaginar o que é, não ter fim. E sendo assim, quem pode dizer que a matéria existente no espaço está limitada a um universo?

Apesar de a nossa inteligência já ser considerável, e a tecnologia avançada, ainda não foi possível descobrir se existe ou não vida exterior ao nosso planeta, e se ela existir também ainda não temos provas concretas, se nos têm visitado, ou se também estão impossibilitados de nos contactar, directa ou indirectamente, devido às distancias, visto que se houver outras formas de vida, inteligente, será noutros sistemas planetários, porque neste já temos a certeza que somos só nós, mas como já referi, este é apenas um no meio deste oceano cósmico inimaginável de estrelas e cada uma terá os seus planetas ao seu redor, em que alguns poderão estar em condições de ter surgido a vida, tal como aconteceu neste, os relatos de aparições de seres estranhos são muitos, durante anos que temos lido e visto comentários de pessoas que dizem ter visto objectos estranhos, das mais variadas espécies, em tamanho, velocidade e luzes, que dizem ser anormais para ser outro tipo de objectos feitos por nós, o que é certo é que tem havido muita polémica à volta destes casos sem que se chegue a uma conclusão, porque as autoridades desvalorizam todos os relatos destes acontecimentos, dando sempre explicações mais terrenas, mas não deixa de ser estranho que as autoridades que lidam com este tipo de fenómenos, criem zonas, e ficheiros secretos. Porque será? Pois ninguém guarda segredo de coisas sem importância, não deixa de ser frustrante, se realmente algo se passa e não se divulga com rigor todas as duvidas que pairam no ar, se estamos ou não a ser visitados por ETs.

Quanto à nossa existência, vivemos enclausurados neste mundo sempre com o medo permanente da morte, com a angústia de que a vida é curta, e se valeu a pena passar por cá, umas férias, visto que nós somos matéria, viemos da matéria e voltamos à matéria. Inventamos as religiões para alimentar o nosso espírito e vivemos num conto de fadas, que segundo a lenda, há mais vida depois da morte, que iremos para o paraíso verdejante e belo, onde reina a paz e a esperança de voltarmos um dia, no caso de outras religiões, os mais felizardos até terão setenta beldades virgens à espera deles, por isso não há motivos para ter medo da morte, as religiões são sempre muito fantasiadas, mas há gostos para tudo, uns gostam de futebol, outros gostam de religião, o ser humano ilude-se com tudo, porque a vida é uma ilusão, mas tudo tem uma explicação e uma razão de ser, só que muitas vezes somos manipulados por aqueles que distorcem as coisas, deviam recorrer mais aos meios científicos e não a meios que só servem para gerar confusão e fanatismos.

Muita gente acredita que há vida depois da morte, este é um assunto muito delicado e ainda há muitas dúvidas no meio científico, é um mistério que parece estar longe de se desvendar e há muitos livros sobre este assunto, mas... Em qual devemos acreditar? A certeza que temos é que, nascemos e morremos, pois a vida, assim como todas as estrelas e planetas no universo, tem um ciclo permanente, nascem, e morrem, sucessivamente, como tal, acontece o mesmo com os seres vivos, nascemos, vivemos durante um certo período de tempo e morremos.

Somos uma máquina muito complexa e de difícil compreensão, por isso continuamos à procura de respostas para muitas questões. Afinal, quem somos?

quarta-feira, 16 de junho de 2010

O valor das pessoas


Num mundo que parece estar na penúria económica, ainda há muita riqueza nas mãos de alguns, são os grandiosos acumuladores de fortunas astronómicas que lhes cai nas mãos de um momento para o outro sem que tenham feito grandes esforços para isso, mas pura e simplesmente tiveram a sorte de cair na graça do poder económico mundial, que parece estar todo concentrado em algumas empresas que cresceram à custa do grande crescimento consumista da população mundial, principalmente dos países em desenvolvimento, é costume dizer-se que dinheiro faz dinheiro, pois é, e miséria atrai miséria.

Estas empresas crescem muito porque realmente têm bons gerentes e promovem os seus produtos de maneira megalómana, porque lá está, têm poder para isso, tanto, que acabam por abafar qualquer outra que se cruze no seu caminho, ou seja, lutou-se contra o monopólio das grandes empresas para que as outras pudessem respirar, mas agora abanam a bandeira da globalização, e o resultado está à vista, as falências sucessivas e a bola de neve da crise que parece não parar de crescer, porque a grande boca dos tubarões engolem todo o peixe miúdo e médio, não sobra nada.

A concorrência está a ser esmagada pelos dinossauros da alta finança mundial, onde se formam monstros, que nos esfolam a pele com as suas garras afiadas, e ninguém os consegue parar, nem os governos sabem como dominar estes monstros que eles próprios ajudaram a criar, e como tal, sem meios para sobreviver, a aflição das pequenas e médias empresas, leva-as a não garantirem bom serviço aos seus clientes, para poderem manter os preços mais baixos que as grandes, e tanto as grandes como as pequenas entram numa guerra aberta, bombardeando os consumidores com publicidade enganosa e com produtos mais caros, apesar de anunciarem o contrário, são os truques de enganar o povinho que não tem tempo para ver bem as condições de venda e qualidade de produtos, ou contratos de bens e serviços, ou seja o que é barato, não presta, e o que é bom, muitas vezes é muito mais caro do que na realidade devia ser, todos sabemos disso mas não fazemos nada para que isso mude, e quem vai crescendo são eles, e nós vamos pagando.

O resultado, são os milhões de euros de lucro, os milhares de euros de salário de gestores e claro, rapidamente ficam multimilionários, importantes, intocáveis.
Merecedores? Ou nem por isso?

Há muita gente no mundo a ganhar muito dinheiro e têm tanto, que por muito que gastem, o saldo da conta nunca baixa, pelo contrário, até cresce mais, alguns ainda vão ajudando e criando instituições de caridade ou de beneficência, o que é de louvar, outros nem tanto, mas na verdade, a riqueza está muito concentrada, num mundo, com tanta população sem recursos de sobrevivência, onde se morre tanto de fome, enquanto outros estragam tanto que até dá dó, as extravagâncias que cometem, com requintes de sarcasmo.

No caso do mundo do desporto, como por exemplo, no futebol, o que se paga por contratos de jogadores, treinadores e os respectivos ordenados, são uma autêntica afronta à pobreza mundial, ridículo o dinheiro envolvido no futebol, totalmente descabido, sabendo que é dinheiro vindo de empresas, que muitas vezes tão mal tratam seus funcionários, com míseros ordenados, que têm que trabalhar toda a vida e são sempre pobres, ou remediados, mas muitos destes trabalhadores, mesmo a ganhar pouco, também contribuem para engordar esse Império desmesurado, pois o publico também contribui com os milhões que eles arrecadam. Diversão? Sim, para alguns não existe mais nada!

Não é desculpa quando ouço dizer que é uma profissão de desgaste rápido, sim é, mas só o futebol é que é, e os trolhas, mineiros, pedreiros, carpinteiros, serralheiros, pescadores, trabalhadores agrícolas…, etc.

Um jogador ou treinador, em meia dúzia de anos, ganham milhões, o que dá para viver muito bem durante toda a vida, sem fazer mais nada, se for bem gerido, enquanto os outros trabalhadores, trabalham toda a vida, e nunca têm nada, não quero dizer com isto que toda a gente devia ganhar milhares ou milhões, apenas estou a referir que os valores de ordenados que pagam são exagerados, até porque os clubes não suportam por muito tempo semelhante despesa e acabam por voltar a vender, mas muitas vezes esses clubes ficam a tremer, à beira da falência ou mesmo falidos, ou com enormes dividas, e o mesmo acontece com as grandes empresas, mas, enfim, o mundo é deles, só é pena haver tantas diferenças sociais, mas quando há crises financeiras, são todos a pagar, e os que não têm, pagam também.

É certo que há personalidades que têm aptidões para que mereçam fortunas, mas será preciso tanto para se viver muito bem? Será que as pessoas têm assim tanto valor? O ser humano tem valor sim, mas o valor maior não devia ser material, pois não devia haver humanos de ouro e outros de carne e osso, mas sim humanos, cada um com o seu valor, mas todos de carne e osso, afinal, quando chegamos ao fim, não valemos nada.

domingo, 6 de junho de 2010

O trabalho infantil


O trabalho infantil não é novidade, e acontece por todo o mundo um pouco, mas como é de conhecimento publico, é mais frequente e em maior escala nos países asiáticos e africanos, mas por muito que se fale do assunto, por mais reportagens e documentários que se faça, em jornais, revistas e televisões, não se tem notado que algo esteja a ser feito de concreto, apesar de ser crime, e uma violação aos direitos da criança e do trabalho e até da dignidade humana, o que é certo é que os senhores do negócio levam sempre a melhor, fintando as autoridades com mentiras e encobrimento da realidade.

Num documentário que vi recentemente num canal de televisão temático, fizeram uma reportagem sobre este assunto e foi precisamente o encobrimento que conseguiram desvendar, com os truques já conhecidos que os jornalistas de investigação fazem para apanhar os infractores em flagrante, usando câmaras ocultas, o caso passou-se na Índia como era de esperar, uma empresa que vende pedra talhada à mão, para pavimentos, e onde grande parte desse trabalho é executado por menores com 8, 10, 12… anos, os repórteres que se fizeram passar por clientes, munidos de câmaras ocultas, gravaram no local essas crianças a trabalhar, perguntaram-lhes a idade e se tinham ido à escola, disseram que nunca foram para a escola, depois foram falar com um dos maiores clientes dessa empresa, que por acaso eram Alemães e perguntaram se sabiam que o produto que estavam a comprar naquela empresa era fabricado por crianças, e eles disseram que tinham a certeza que não, que lhes garantiram que não tinham mão-de-obra infantil, até lhes apresentaram um documento da fiscalização, os Alemães nem queriam acreditar no que estavam a ver na gravação que os jornalistas apresentaram como prova de que estavam enganados nas afirmações que fizeram, pois o trabalho de crianças era real naquela empresa, ao contrário do que lhes tinham dito, também descobriram que, afinal a fiscalização era comprada.

Bom, este é um caso entre muitos e não é novidade nenhuma, mas nunca é demais falar e divulgar estes casos e até protestar, para lembrar a quem de direito, governos e organizações mundiais, que não basta falar e escrever num papel para que estes exploradores de trabalhadores cumpram as leis, não só pelas crianças, mas também pelos trabalhadores que ganham uma miséria e trabalham muito mais horas que o previsto na lei, sem que recebam mais por isso, e claro muitas vezes são obrigados a pôr os filhos a trabalhar muito cedo, para ajudar a família, que muitas delas são numerosas e passam fome, o que é realmente triste, alem de trabalharem muito ainda passam fome, esta é que é a realidade, tudo isto em proveito próprio de empresários sem o mínimo de compreensão e reconhecimento dos seus trabalhadores, e para terem mais lucros ainda cometem estes actos criminosos, de admitirem crianças a trabalhar, usando todas as artimanhas para conseguirem os seus objectivos.

Num mundo que dizem ser evoluído e ainda haver tanta miséria, para uns e tanta riqueza para outros, não faz qualquer sentido, sabemos que não podemos ser todos ricos, porque este mundo não é perfeito nem é o paraíso, para que todos fiquemos sentados à sombra de uma bananeira, apenas devia haver o bom senso de que todos somos humanos e que devíamos ser tratados como tal, as crianças devem estar na escola para terem a educação merecida primeiro, depois o merecido trabalho, com dignidade e justiça, enquanto não for assim, vamos viver sempre num mundo cruel e muito mau para viver.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Os comentários ordinários


Quem lê a edição online do JN, depara-se com comentários feitos por alguns leitores, que são de um nível tão baixo de educação, que é incrível, palavrões e pior ainda, insultos sem qualquer motivo para isso, apenas por prazer de rebaixar os outros que têm opiniões diferentes e sem conhecer a pessoa de lado algum, é pena que quando se dá a oportunidade às pessoas de exprimirem suas opiniões, não se aproveite para dizer o que se pensa dos casos noticiados, com criticas sim, favoráveis ou desfavoráveis, mas sem ferir os outros, atacando-os de maneira tão cruel, o que apenas demonstra uma tão má educação ou simples rebeldia que até qualquer ignorante fica incrédulo, muitas vezes vemos dezenas de comentários de uma única noticia, em que tudo se diz, mas nem uma palavra relacionada com essa mesma noticia, apenas insultos e palavrões.

A maioria destes comentários aparecem como anónimos ou com nomes de qualquer coisa, mas não é isso que está em causa, até porque é opcional, divulgar o comentário com nome ou anónimo, o que está em causa é aproveitarem isso para ofenderem as pessoas, é possível criticar a opinião dos outros e até a própria pessoa sem a ofender e muito menos usar palavrões, o JN não merece que o tratem mal, porque é um jornal diário de noticias, credível, a nível nacional e internacional, é um dos melhores jornais do nosso país e era bom que fossemos dignos de o lermos, e respeitarmos quem trabalha nele durante 24 horas por dia, todo o ano, e não podemos esquecer que os jornalistas são os nossos olhos e ouvidos, perante o país e o mundo, são a nossa mente, a nossa liberdade, a nossa arma, por isso só temos que lhes agradecer e honrar.

Ao sujarem este espaço reservado aos leitores, não estão só a sujar a imagem do jornal, como também estão a afastar os leitores mais sensíveis, que ao consultarem os comentários, por curiosidade e interesse pela opinião dos outros leitores, se deparam com tamanha barbaridade linguística, fico horrorizado ao ler comentários como: o JN gosta destes palavrões, já que os admite e publica! Eu não sei porque é que o JN alterou o sistema de mensagens de comentários, realmente antes deste sistema, o comentário era filtrado e não era publicado no momento, demorava mais, porque ia ser visionado, penso que deve ser para poupar meios humanos, que optaram pelo sistema automático, de qualquer maneira não é motivo para oportunismos e fazer da ocasião um ladrão, eu já evito fazer comentários nesse espaço, sinto-me excluído da minha liberdade, outros já o farão também, uma coisa é certa se não preservamos a nossa liberdade e principalmente a nossa educação, um dia vamos perde-la de vez, e aí vamos dar valor aquilo que tanto custou a conquistar, o que faz isso, é que Portugal sempre foi um país mimado, nunca sentiu verdadeiramente a terrível luta pela liberdade.

Liberdade não é fazer aquilo que bem nos apetece, liberdade é fazer aquilo que deve ser feito, respeitar para ser respeitado, educar para ser educado, servir para ser servido, amar para ser amado, ajudar para ser ajudado, ser cívico para ser civilizado, e simplesmente ser humano.