terça-feira, 24 de maio de 2011

Naturalmente

Um exemplo da natureza, que é uma realidade na vida, tanto na vegetal como na animal. Nesta primeira imagem vemos uma árvore mãe que tem um filho que segue o caminho direito, e outro segue o caminho torto. É a vida, naturalmente.

Para ver a beleza da natureza, tenho um blog dedicado a este tema. Clique no site a seguir:




quarta-feira, 18 de maio de 2011

CRIME


O crime sempre existiu, desde os primórdios da vida que sempre acompanhou o ser pensante, os racionais, com inteligência mais avançada, e até os irracionais, embora a estes não lhes seja imputado o estatuto de criminosos, pois os animais irracionais não têm a noção dos seus actos ilícitos, porque as suas atitudes são sempre a de defesa, sobrevivência e o instinto selvagem próprio deles, enquanto o homem, usa o crime para atingir outros fins, mas aqui o assunto fica mais complicado, e eu vou dar a minha simples opinião do que penso sobre este flagelo mundial que tanto assusta a sociedade de todo o mundo, mas que infelizmente teremos que continuar a viver com este problema. E porquê? O que eu penso, e não tenho intenção de defender quem pratica o crime, pelo contrário, mas é necessário perceber certos pontos de vista, e pelo conhecimento que tenho de alguns dados científicos, é que há muitos motivos para ser criminoso, e o mais preocupante é de foro psiquiátrico, como sabemos existem muitos tipos de crime, mas eu não vou falar dos crimes, considerados banais, ou aqueles que não são considerados crimes violentos ou de morte, vou direccionar-me para os crimes violentos que são os mais preocupantes. Mas quem pratica estes crimes? Bom, temos que separar as coisas, há uma teoria que diz: ninguém nasce criminoso ou com instinto de assassino, embora muitas vezes ouvimos as vozes populares a dizer: já nasceu assim, tem o diabo no corpo, é um monstro, e outras coisas mais, tais como juntarem-se à porta dos tribunais para tentarem fazer justiça pelas próprias mãos, ou simplesmente insultar os arguidos, enfim. Mas se há aqueles que praticam o crime voluntariamente, só com a intenção de praticar o mal, e prejudicar alguém em proveito próprio, também há aqueles que por ironia do destino o fazem involuntariamente, pois é, o azar pode bater à porta de qualquer um, por isso nunca podemos dizer que estamos livres de tal acontecer, claro que é diferente, o crime involuntário não tem a mesma gravidade do premeditado, mas o que é certo é que qualquer um de nós pode estar sujeito a esse estatuto, o de criminoso, o que não deixa de ser altamente penoso, para quem se vê envolvido num inferno para toda a sua vida, e que não queria que acontecesse. Como já referi, ninguém nasce criminoso, o que faz algumas pessoas seguirem este caminho, é o que ao longo da vida se vai passando, traumas, injustiças, desigualdades, maus tratos, miséria, ganância, ódio, exclusão social, discriminação, más companhias, drogas pesadas, álcool em excesso e vários vícios perigosos, mas também, as doenças mentais que podem resultar de tudo isto mas também de forma normal, pois todos estamos sujeitos a este tipo de doenças e não só. Não há coisa pior que possa acontecer a um ser humano que é cair nesta desgraça, o mundo do crime é o fim de uma vida, raramente se restabelece a vida, e mesmo que isso aconteça, nunca mais nada vai ser como antes, muitas vezes tudo termina ali, é o fim da linha. Mas vamos ter que continuar a viver com este pesadelo, o crime, a violência, a guerra e de todo o mal existente neste mundo. Ninguém é perfeito, e se alguém for, na vez de atirar pedras, façam dos outros perfeitos também, já houve alguém neste mundo que queria criar um raça pura e perfeita, no entanto tornou-se num dos maiores criminosos de guerra. Pode ser que um dia no futuro a nossa evolução permita que se crie uma humanidade perfeita, se os homens usarem todas as suas capacidades mentais e toda a sua inteligência nesse sentido, para bem das gerações que possam vir a existir nesse futuro incerto, digo incerto porque infelizmente, podemos estar a caminhar para um destino assustador e pouco promitente, por enquanto façamos um favor a nós próprios, vamos tentar ser felizes.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Pensamentos


Este texto foi escrito por mim, (António Oliveira) e publicado no meu blogue, (português suave) é uma opinião pessoal, de como vejo o mundo, a política e a sociedade em geral. Se tiverem a paciência de ler, vão ver que tenho razão, em pensar que o impensável existe, e que por muito que queiramos mudar, o nosso destino está traçado, seremos sempre os seres minúsculos, insignificantes, servidores de outros seres, altivos e repugnantes, que pensam que o mundo lhes pertence. Tal como pastores, pregam a doutrina do bem, para terem proveito do mal, dizimando e saqueando as ovelhas do rebanho. 

Este planeta teve o privilégio de se formar no sítio certo do sistema solar, em que foi possível surgir a vida, depois de se formar e de estarem reunidas todas as condições, eis que surge a vida, que viria dar origem a uma espécie de animal muito especial, o animal racional, que desde o seu aparecimento e durante muitos milhares de anos, teve a particularidade de evoluir, muito lentamente, mas logo começou a distinguir-se dos outros animais, quando estes seres inteligentes sentem a necessidade de ir mais longe, algo os faz sentir superiores, e por isso o bem-estar começava a ser um objetivo, para isso era preciso inventar o que mais fazia falta para as suas necessidades; tais como: armas para caçar, abrigos para se proteger do frio e dos animais selvagens; para depois surgir a grande descoberta: o fogo, uma fonte de energia que deu início à sua evolução, e que foi de uma enorme utilidade, uma descoberta que deu um grade passo para a grande caminhada da evolução humana, que a partir daí nunca mais parou.

Quando começamos a ter a noção do poder, também começaram os problemas, pois era preciso marcar territórios e protege-los, a guerra estava inventada também, o nosso destino estava traçado, luta, sobrevivência, poder, ódio, ganância, e assim tem sido ao longo dos tempos, e hoje vemos que nada mudou em relação a estes aspetos, aliás, mudou para pior no que diz respeito a guerras, de resto muita coisa mudou, para melhor e para pior, depende dos pontos de vista.

Mas falando dos tempos de hoje, não temos grandes razões para estarmos satisfeitos, a nossa evolução está a chegar a um limite perigoso, percorremos um longo caminho, mas nem sempre escolhemos o melhor, e cavamos a nossa própria sepultura, quando descobrimos que a nossa sobrevivência, já não é a caça nem o fogo, mas sim o dinheiro, estamos a ficar sufocados pelo poder económico, corroídos pelos corruptos e pelos governantes que não têm poder sobre os poderosos, e estão a causar o caos na sociedade, que cada vez mais se vê com grandes dificuldades de sobreviver e de ter um futuro estável.

É dramático, viver num mundo em que não há uma perspetiva de vida a médio e longo prazo, o povo trabalha, produz, dá tudo por tudo para enriquecer o país, as empresas, e para manter o bem-estar da família, quando se depara com esta situação; país à beira do colapso financeiro, miséria, fome, desemprego, perda de direitos, precariedade, injustiças, revoltas, repressões, ditaduras, insegurança, guerras, terrorismo.

Mas quem tem a culpa disto tudo? É o povo? Não há culpados? Quem é o fantasma causador de tudo isto? Não, não há fantasmas, os culpados existem e nós sabemos quem são, mas não temos a coragem de os condenar, preferimos que eles nos condenem a nós, que nos matem à fome, que nos humilhem, que nos façam escravos seus servidores rastejantes e submissos, eles sabem que têm poder sobre nós, e que nós, como parvos que somos, obedecemos, não temos alternativa, somos carne para canhão, no nosso caso, como podem culpar o povo português pelo endividamento do país e das famílias, se eles é que incentivaram as pessoas ao consumo, para que os seus cúmplices enriquecessem à custa do povo,  deram todas as facilidades e promessas, que nem o diabo teria tanta ousadia em fazer, tudo em prol da economia. Então o que aconteceu? Os senhores políticos, economistas, banqueiros; não sabem fazer contas? Não sabiam que Portugal não produz o suficiente para manter uma economia consumista, que importamos mais que exportamos, e que não temos uma fonte de riqueza estável, e esta tem-se degradado muito e a um ritmo mais rápido que o vento? Não sabem que para comprar é preciso ter capital, ou algo que o suporte? Não sabem? Se não sabem, andam a brincar com o povo, se sabem, andam a brincar também.

É triste e desolador viver neste país, ou num mundo em que o desespero se apodera das pessoas e não mudam as mentalidades, nem dos governantes nem do povo, que vivem atordoados pelo consumo desenfreado, do modernismos absolutista, em que tudo deixou de ter preço e tudo se compra a qualquer preço, é péssimo, degradante, doentio, os valores humanos, estão esgotados, é dramático o que se passa no mundo diariamente, os serviços noticiosos na TV passaram a ser um filme de terror, a dignidade humana deixou de ter sentido, o amor não existe, a educação moribunda, trabalho é para os sortudos, os jovens desnorteados, desequilibrados, sem rumo, sem futuro.

O mundo precisa de um novo rumo, de homens competentes e menos vaidosos, que saibam governar, e sobretudo, não porem os seus interesses em primeiro lugar, mas sim os do povo, para que todos possamos continuar neste mundo, com dignidade e esperança de que ainda podemos ir mais além; caso contrário, as esperanças ficarão perdidas para sempre, e nós também. Eu como humano, tenho muita dificuldade em aceitar a forma como vive a maioria das pessoas no mundo, não entendo como as pessoas se submetem a leis erradas, injustas, eu penso muitas vezes, que se este mundo é de todos, como é que deixamos que nos limitem a vida, e nos tirem a liberdade, que massacrem, escravizem, nos ordenem; mas afinal a maioria somos nós, o povo, e não quem manda, ou governa, se tem que haver lei e ordem, primeiro que cumpra quem fez a lei, para depois a impor aos seus súbditos, mas mesmo assim, teria que saber gerir e implementar essas leis, com sanidade mental adequada, e não como um tresloucado, a fazer o que bem lhe apetece, usando e abusando do poder.

A humanidade é muito ingénua, e de fácil manipulação, não gosto da hipocrisia que abunda em demasia na sociedade, o egoísmo, ganância, inveja, fanatismo por religiões, partidarismos, e outros entusiasmos ridículos e doentios; por vezes assistimos a manifestações de puro histerismo coletivo, conduzidas por individualidades, políticas, religiosas, ou organizações, que com o seu dão demagógico, arrastam as multidões alucinadas por ilusões fantasmagóricas, que as conduz a um caminho sem destino e a uma esperança de nada, não quero dizer que as pessoas não tenham as suas crenças ou confianças, mas moderadamente, e acima de tudo, tenham o bom senso de analisar, e fazer juízo de valores, das promessas que os nossos líderes fazem e não cumprem, devendo ser penalizados pelos seus atos irresponsáveis, desumanos e antissociais, que é a humilhação, e a exploração do homem pelo homem.

Eu penso que a humanidade, vive em função daquilo que lhe é dado e não daquilo que procura, a uns dão-lhes fortunas, que nem sempre são merecidas, a outros não dão nada, mas na realidade o que as pessoas procuram mesmo, é a felicidade, não ter dinheiro, pode ser falta de sorte, mas viver não devia ser uma questão de sorte, viver é um direito que diz respeito a todos, sem exceção, por isso, se para viver também é preciso dinheiro, todos deviam ter o seu trabalho remunerado e justo, para que as pessoas possam viver dignamente; ninguém tem o direito de decidir a vida de cada um, e todos devem partilhar o amor, a felicidade, a dignidade, e a consciência de que, se estão todos no mesmo barco, para quê cada um remar em sentidos diferentes, porque não remarem no mesmo sentido, para que o barco chegue a bom porto, para conquistar aquilo que todos procuram; que é a felicidade, amor, fraternidade, solidariedade, liberdade, união, paz, amizade, independência.

Não entendo a celebração da luxúria, a exorbitância exponencial gozada, disparatada, descomunal, desprezando as diferenças sociais, como se tudo aquilo fizesse parte de um bem adquirido, com honestidade e merecido, e ainda entendo menos quando há pessoas que apreciam as extravagâncias dos outros, sabendo que passam mal, ainda lhes prestam vassalagem e ovação, e contribuem para que o império deles ainda cresça mais.

Muitas vezes penso se a humanidade não será toda masoquista, será que a evolução e inteligência do homem estão apenas concentradas na futilidade, na grandeza, na luxúria, uma sociedade materialista, em que o valor humano se esgotou, e a lei do mais forte conquistou as mentes dos tão frágeis seres que habitam o tão frágil planeta Terra, que mais parece uma colónia de dementes.

As injustiças sociais, no que diz respeito à distribuição de riqueza, é de um egoísmo revoltante e um atentado à dignidade humana, não se pode admitir que dirigentes políticos, gerentes empresariais, atletas de certas modalidades, banqueiros e até as maiores cabeças ou mentores do mundo, ganhem fortunas exorbitantes, escandalosamente exageradas; que tenham salários de alto valor sim, mas todos devem ter o seu preço certo, com limites, e suportáveis para as instituições, empresas, países, para que o mundo fosse mais equilibrado e justo, para que, quem não tem alimentação, passasse a ter alguma, e os que tem muito, não cometessem o crime de deitar fora o que faz falta a quem precisa, e pensassem mais nos outros, é inacreditável a quantidade de bens alimentares e refeições já confecionadas que se deitam fora diariamente, quem faz isso não pode ser humano, ou então deve pensar que só ele existe, como podemos viver num mundo onde há tanta indiferença perante o próximo, tanto desprezo e rejeição.

É revoltante, ver pessoas com cargos importantes, que por lógica deviam ser um exemplo de seriedade e rigor nas suas convicções, vemos muitas vezes que eles representam uma nódoa no seio da sociedade, no entanto, por serem, ou pensarem ser mais importantes que os demais cidadãos, passam por cima de regras, enganam a justiça, quando esta lhes aperta o cerco, por motivos muitas vezes gravíssimos, mas que nunca dá grandes punições, e na maioria das vezes saem impunes, porque a tal justiça que devia ser para todos, pesa mais para uns que para outros; mas é normal, porque a linguagem destes seres inteligentes e superiores, é diferente da dos cidadãos normais; por exemplo: eles entendem que roubar é muito diferente de desviar; e não é que há mesmo diferença: roubar, é tirar algo a alguém, e desviar, é apenas mudar de direção. Portanto, como se pode prender alguém, que apenas mudou uma avultada quantidade de dinheiro de direção! É que o dinheiro não desapareceu, o endereço é que estava errado. Por isso, quando virem o diabo, por favor, digam-lhe que está perdoado, e que afinal a chafarica dele, virou uma híperchafarica, e que já estamos todos inseridos como sócios.

O que é mais chocante neste mundo incompreensível; são as guerras, ou qualquer tipo de violência, sem dúvida o mais repugnante e desumano, o lado mais obscuro da humanidade, a maior prova de que o homem tem um instinto selvagem, e insanidade mental muito elevada, contradizendo as próprias leis e direitos que o próprio homem criou, dizendo que ninguém tem o direito de tirar a vida a ninguém; se bem que as leis feitas pelo homem, não são propriamente para todos, ou seja, é como nas igualdades entre os povos, todos deviam ser iguais, mas uns são mais iguais que outros, decididamente, este não é o mundo perfeito, mas mesmo assim, podia haver mais respeito pela vida. Temos assistido nos últimos tempos, a guerras que nos deixa com muitas dúvidas, os motivos que deram origem a elas, ficamos com a ideia de que os interesses de alguns estavam acima da legitimidade que provocaram tais conflitos, que se tem verificado pouco eficazes, muito desumano, e evitável, uma autêntica carnificina de pessoas inocentes, enquanto os culpados continuam impunes. Eu pensava que a vida era para ser respeitada e preservada, mas o que vemos, é ela ser cada vez mais desprezada e manipulada.

terça-feira, 3 de maio de 2011

YouTube - PORTO.wmv



PORTO - É um vídeo com imagens fotográficas feitas por mim, uma pequena amostra da cidade do Porto, de uma maneira diferente, uma cidade de contrastes, tem muita coisa boa, e muita coisa má, como qualquer outra cidade, claro que muito mais há para ver, se tivermos paciência para ver em pormenor, chegamos à conclusão de que é uma cidade que podia ser uma cidade como outra qualquer, mas não é.

YouTube - Porto visto de perto.wmv


Quando se vê de perto estas obras de arte, ficamos a pensar, como foi possível fazer um trabalho destes, com uma perfeição impressionante, da qual não podemos ficar indiferentes. Num tempo em que olhar para o futuro já não encanta, olhemos para o passado, e ficamos a saber que em outros tempos se trabalhava a pensar na eternidade. Para muita gente isto não tem muito significado, ou simplesmente não dão valor e até há quem destrua, porque para eles, o que passou, já passou, e preferem olhar para o futuro, um futuro que quanto mais procuramos menos vemos. Se analisarmos bem estes trabalhos, ficamos impressionados com a perfeição, a delicadeza, e dedicação que os artistas aplicaram, estes sim, pensaram no futuro e trabalharam a pensar que as suas marcas ficariam gravadas na pedra para sempre, mas hoje vemos que as suas obras estão a ficar um pouco esquecidas, e mal tratadas.