sábado, 23 de fevereiro de 2013

O povo unido jamais será vencido


O povo unido jamais será vencido. Será? Desde abril de 1974 que o povo português anda a dizer isto, e que o povo é quem mais ordena. Mas sinceramente, o povo só tem perdido as batalhas, de uma guerra que nunca existiu. Tinha eu 13 anos, quando aconteceu aquela revolução, que aos olhos de todo o mundo pareceu exemplar e até encheu de orgulho o povo português, e eu, inocente e iludido na possibilidade de ser verdade, de haver revoluções sem sangue e sem mortes, pensei, bem afinal as revoluções até nem são assim tão más como eu pensava. Nos anos seguintes até comecei a ter interesse na política e em seguir partidos e dar atenção às opiniões e ideia das pessoas que formavam esses partidos, e claro depois escolhi aquele que mais se adaptava à minha ideia, do que seria melhor para mim e para o povo em geral. Depois de fazer os 18 anos, lá ia eu votar, inocentemente pensando que estava a fazer uma grande coisa, mas durou pouco, os anos passaram, e depressa eu apercebi-me de que estava a ser usado, e a fazer figura de urso quando ia votar, vi que estava a ser enganado por ilusionistas, e que os milagres só acontecem por trás ou por debaixo de panos pretos e tudo o que via não era real, eram simplesmente truques diabólicos muito bem elaborados para entreter o pacóvio do povo, fácil de dominar e crédulo em tudo o que ouve ou vê. Vendedores de banha da cobra, aldrabões, o que era ontem, já não é hoje, e o tempo vai passando, e assim vão ganhando tempo para começar nova campanha eleitoral, para mais promessas. Atacam tudo e todos, todos são culpados mas ninguém assume, a oposição de esquerda condena e pouco mais pode fazer, pois nunca chegam ao poder, porque não são unidos nem nunca conseguiram convencer a maioria das pessoas de que eles não comem criancinhas ao almoço, velhinhos ao jantar e freiras à sobremesa, pois em Portugal ainda há um pavor enorme ao comunismo ou radicais de esquerda, sabe-se lá porquê, mas eu como não confio em nenhum também acabo por meter tudo no mesmo saco do lixo.

E lá vem as eleições, vai o povo votar nos mesmos ou outros iguais, e voltamos ao mesmo, por isso eu comecei a odiar a política e os políticos que me traíram, quando me prometeram tanta democracia e tanta coisa boa. Então eu refleti, e pensei, bem me parecia que as revoluções não podiam ser assim tão boas como eu pensava, pois se estávamos num regime fascista, e não mataram nenhum, eles estão cá todos, eles estão disfarçados de democratas mas não são, vamos ter um tremendo pesadelo no futuro deste país. Eu, simplesmente desisti, deixei de acreditar nos políticos, completamente, sejam eles da mais radical esquerda, e muito menos os de direita, nem nos que se dizem independentes, deixei de acreditar nas pessoas que estão à frente do destino deste país. Políticos, gerentes empresariais do Estado e privados, gerentes do desporto, forças de segurança e militares, tudo e todos. Revolta-me imenso quando vejo na televisão a atitude desta gente, da maneira como falam da política deles, o odioso escarnio como se dirigem ao povo, como se o povo fosse o verdadeiro bicho papão indesejado, a baixíssima aptidão e qualificação profissional, educacional, cívica e moral, de quem está acima de nós, é simplesmente repugnante, e todos sabemos que a verdadeira vocação deles é a luxuria, corrupção e a conquista do poder, para serem eles os lobos, a guardarem o rebanho. Aqui temos a verdadeira definição do diabo, eu que também não acredito na religião, pensava que o diabo não existia, mas agora vejo que sim, eles existem, e são piores e mais perigosos que aqueles que idealizávamos quando eramos crianças.

Vejam o que estes diabinhos prometeram, vejam como estão a destruir o país, vejam como eles se governam a eles e aos amigos, vejam como a verdadeira mordomia burguesa que já existia se expandiu de uma forma descaradamente ´´democrática`` e desleal. Mas já anda outro diabinho da oposição com a varinha mágica divinal e com novas promessas para iludir os mais distraídos, ´´votai em mim e tudo isto será vosso`` mas a verdade é que tem sido assim durante os últimos 39 anos, e é caso para dizer: O povo adormecido será sempre vencido.

Como é lindo ver uma sociedade em decadência, como era lindo ver as cidades a desmoronarem-se, como era lindo ver o verde invadir a terra onde os seres bípedes voltassem a usar a tanga, e de arco e flecha na mão procurasse sobreviver, sem patrões, sem governo, sem lei, sem ordem, e apenas vivessem.


terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Apocalipse Agora


As notícias continuam a ser as piores para o mundo, nada, mas nada de agradável tem surgido nos últimos anos, e parece que vamos continuar a ter surpresas. Não podemos dar azo a profecias, a premonições, armar-nos em bruxos, ou fazer alguém acreditar em adivinhos ou previsões, por muito sagrados que sejam os estudos, venham de quem vier, até podemos ler alguns ditos de grandes estudiosos em ciências, da astronomia, astrologia, filosofia e religiões, e muitos casos no passado, até aconteceram como estavam previstos há muitos anos atrás, mas não quer dizer que tenham acontecido como se de uma lista de tarefas se tratasse, podem ter sido coincidências! Ou talvez não! Mas, que nos interessa saber o que vai acontecer no futuro, se não nos precavemos no presente? É claro que nós podemos antever o futuro, se o projetarmos agora! Se não temos agora os cuidados necessários para que as tragédias não aconteçam com tanta frequência, é claro que elas vão acontecer. Se planeamos as guerras, elas vão acontecer! Se temos interesse nas crises económicas, elas vão acontecer sempre! Se não há interesse em tirar a humanidade da miséria, da exclusão, da fome e das doenças devastadoras que abundam no mundo! Tudo isso irá e continuará a acontecer! Simplesmente porque o mundo não é bem gerido, não há interesse, competência ou inteligência cívica, e uma verdadeira coesão social e humana.

As notícias que nos chegam dos países poderosos, principalmente com poder militar são arrasadoras e nada tranquilizantes. Muitas cimeiras, muitas reuniões, muitas palavras, muitos tratados, acordos, e todos concordam, no papel, mas agem de forma diferente na prática, muitos não cumprem e ainda ameaçam, é a guerra psicológica do costume, que não tem efeitos imediatos, mas que vão minando a confiança que os cumpridores ainda depositam nos outros, e para tudo há limites.
Os testes nucleares que a Coreia do Norte fez ultimamente, e que apesar dos avisos e protestos da comunidade internacional, ainda dizem que vão fazer mais, o que é verdadeiramente revoltante, assim como é inaceitável, odioso, e repugnante, todos os testes nucleares feitos no passado, e muito mais, foi o ataque real com este tipo de armas em Hiroxima e Nagasaki, no Japão, na 2ª guerra mundial. Pois todos sabem dos imensos malefícios destas armas, não só pela destruição, mas pelos efeitos das radiações, que se prolongam por muito tempo, os problemas que causam na saúde humana e em todo o sistema ecológico e geológico do planeta, é terrivelmente imprudente e criminoso, os imensos testes nucleares que já foram feitos à superfície e subterrâneos, pois se os que foram feitos à superfície são de uma irresponsabilidade total, os subterrâneos, apenas minimizaram os efeitos imediatos, mas são uma terrível facada no coração do planeta. Admira-me e fico pasmado! Como é possível que tantos burros inteligentes não saibam o quanto frágil é o planeta? Principalmente naquela zona do planeta, onde foram feitos os últimos testes nucleares, na Coreia do Norte, uma zona do planeta onde há muita vulnerabilidade sísmica por natureza, ao fazerem este testes é muito provável que nem venham a precisar de guerras, pois a natureza provavelmente se encarregará de destruir tudo em poucos segundos, (ainda é recente  a enorme tragédia no Japão) e infelizmente os efeitos não se farão sentir só naquela zona, mas por todo o mundo, mas o pior é que quem mais sofrerá as consequências, são sempre os mesmos de sempre, o povo.
O armamento nuclear foi uma das invenções mais estupidas que a inteligência humana podia fazer, e agora, pasme-se, não têm inteligência nem poder suficiente para as controlar, ou controlar quem as tem, e os outros que também as quer ter, e claro, tudo fazem para as conseguir. No entanto, uns têm muitas, outros têm menos, mas as que há são demasiadas para um planeta tão pequeno e tão frágil. Também não faz sentido, quando vemos os líderes do mundo, sejam eles democratas ou ditadores, que aparentam uma impressionante e emocionante sensibilidade amorosa e acolhedora para com a sua família, quando nos gabinetes, a ordem é para matar, os outros. Estes imponentes homens devem pensar que numa possível guerra nuclear, ainda haverá vencedores. Mesmo que possam sobreviver por vários anos nos luxuosos abrigos! Imaginem como seria estupido viver enclausurados numa masmorra artificial, sem poder ter o esplendoroso contacto com a natureza, ouvir o belo e encantador chilrear dos pássaros, apreciar um belo piquenique nos verdejantes e multicolores jardins.         
É lamentável, que neste mundo, os líderes mundiais continuem a dar muito mais importância á guerra, que aos problemas fundamentais para o bem de todos, que é impor a paz e olhar para os problemas sociais como uma prioridade, e que tanto há onde se investir, na vez das armas, só de pensar que, o que se gasta em armamento e nas guerras no mundo, dava para acabar com a fome em todo o planeta, por vários anos, e se o investimento fosse bem gerido e aproveitado daria para erradicar a fome, a pobreza e melhorar a saúde das pessoas a nível global, este é um exemplo da injustiça e do crime praticado contra a humanidade por quem nos governa, por isso é ridículo quando se vê o povo a venerar os seus lideres como deuses, quando eles não passam de diabinhos vendedores de ilusões.  

 http://youtu.be/d9e56kPoyKg


domingo, 17 de fevereiro de 2013

Contra os parasitas e o terrorismo social



Mais uma manifestação a condenar as politicas desastrosas do governo e da impiedosa troika, em que para eles, só há ricos e muito ricos, e eles, os poderosos deuses da terra, só eles mandam e ninguém os condena! Mais berros e insultos, mas mesmo assim, não ouvem, não têm vergonha, simplesmente deixaram de ser humanos a governar humanos, e passaram a ser robôs a comandar bonecos feitos de trapos, que depois de usados, maltratados e humilhados, são atirados para o lixo. Mais uma vez se vê que a democracia está moribunda, porque o povo já não ordena, nem tão pouco é ouvido, assim como nas ditaduras, eles fazem o que lhes apetece, dão ordens, mesmo as mais ridículas, que nem no tempo do fascismo se ouvia tamanhas barbaridades, e querem que o povo obedeça, nem que seja para matar a própria família, o que realmente já tem acontecido, não só em Portugal, como noutros países, Grécia e Espanha, não porque alguém os mandasse matarem-se diretamente, mas foi indiretamente, pelo desespero de tanto humilhados e desprezados pelas políticas criminosas de governos que não sabem o que é sofrer em miséria, que eles sabem que existe, mas que simplesmente desprezam, porque para eles, tem que haver milhões para quem tem muitos milhares de milhões, e quem morre de fome, nem meia dúzia de euros têm para uma refeição digna, e que todos merecemos, temos direito e muito mais.  

sábado, 9 de fevereiro de 2013

O despertar da vida


Desde que nascemos e começamos a despertar para a vida, ainda anestesiados e inocentes, vamos abrindo os olhos e logo começamos a descortinar o que nos rodeia, tudo nos parece estranho, e não é para menos, pois tudo é novidade, mas também não leva assim tanto tempo para descobrirmos que se calhar viemos parar ao sítio errado, estar vivo é estranho, e ainda se torna mais estranho, que para se viver dá muito trabalho, são necessários muitos meios técnicos, e recursos naturais, tais como: Proteção, carinho, amor, educação e alimentação. Mas com o tempo, vão surgindo os entraves a tudo o que é essencial, vamos percebendo que nem tudo o que nos rodeia é assim tão amoroso, até há mais maldade que bondade e a prática da bem-dita ética escasseia, a educação está moribunda, a proteção e segurança é uma caixa de surpresas diária, dependendo da sorte de cada um no dia-a-dia, só podemos contar com nós próprios e não há nenhum lugar seguro, a alimentação também já ouve tempos melhores, quando a agricultura era um trabalho privilegiado, de enorme dimensão e até dos que impulsionava a economia de qualquer país, e ainda não havia tanta população no mundo como agora, era o mundo da abundância, só não o era em toda a parte, por razões políticas, dos lacaios e criminosos senhores das guerras, os tais pestilentos monstros que infestam este mundo, de maldade.

Por razões óbvias, este não é definitivamente o mundo perfeito, e como tal não é próprio para humanos de bom coração, que tanto se esforçam para construir um mundo melhor, mas que os abutres teimam em deitar as garras da destruição e maldade, olhando só para eles e conquistar o poder a todo o custo, para poderem ditar as leis da ira, e destroçarem todas as espectativas dos povos heroicos, que lutam arduamente pela vida! E vejam como é lindo, colorido e brilhante, o coração dos que sofrem, como são solidários entre si, mesmo sem poderem, ajudam-se muito mais mutuamente que os governantes, que pelo contrário, na vez de ajudar, que era a obrigação deles, são precisamente os causadores das desgraças de famílias inteiras. A mim, revolta-me imenso, quando ouço os responsáveis politico a dizerem que tudo fazem para minimizar o sofrimento das pessoas mais carenciadas! Será? Devem ser completamente cegos e estúpidos, pois eles devem pensar que as pessoas carenciadas são aquelas que apesar de tudo ainda têm a dispensa cheia diariamente! Não, senhores inteligentes, carenciados, são aqueles que comem uma refeição por dia, dada por vizinhos ou instituições, e se houver, e quando há, muitas vezes é para dar aos filhos para enganar a fome, e à noite vão para a cama tentar dormir, porque dormir é meio sustento, não é! Carenciados, são aqueles que vivem em autenticas pocilgas, rodeados de todos os tipos de bichos, os que dormem nas ruas, os que não estudam porque não podem pagar, os que não têm trabalho! E ninguém me diga que só está na extrema miséria quem quer, porque não é verdade, ou os casos de morte de pessoas nestas situações, são por quererem morrer, nem todos morrem por querer, mas infelizmente ainda há muita gente que diz que estas pessoas estão assim porque querem, mas eu digo que é muito fácil dizer coisas da boca para fora quando estamos bem, e não damos o verdadeiro valor aos que estão mal, lembrem-se que há pessoas que muitas vezes até recusam ajuda sim! Mas sabem porquê? Porque já perderam a esperança! De tanta coisa que já lhes foi recusada! Decidiram recusar a vida, e só pedem que a morte chegue depressa. Eu já ouvi isto de pessoas de uma certa idade, que diziam: Olhe senhor, eu já estou farta/o desta vida, só vejo maldade nas pessoas, egoísmos, e falsidades, agora, quanto mais depressa partir deste mundo melhor! Não é triste, chegar a este ponto? Não quero dizer com isto que os governos tenham que ser a ajuda principal e contínua, mas quando as causas principais de pobreza são causadas pela má gerência governativa, devem ser eles a assumir a responsabilidade sim! O descalabro do desemprego é um dos terríveis exemplos disso, irresponsabilidade, desinteresse e desrespeito pelos direitos dos cidadãos por parte dos governantes e empresários, que despedem indiscriminadamente, só porque não têm os lucros chorudos de outros tempos, ou para reduzir despesas, e os governos em sintonia com eles engendraram acordos para fazerem dos trabalhadores escravos e despoja-los quando bem lhes apetece, e até já conseguiram retirar quase todos os direitos, que tanto custou aos trabalhadores conquistar. Isto é um ato criminoso! Como tal, e sendo o povo o principal mandatário, ou até o ´´supremo tribunal`` de uma nação, quando a injustiça impera, tem o dever e o direito de condenar veemente os governantes e os demais responsáveis, (como os gerentes empresariais, públicos ou privados, que são grande parte dos corruptos, que proliferam por este país e pelo mundo, como diabinhos intocáveis) a reporem o que tiraram ao país e ao povo e assim restabelecerem a economia fragilizada e desfalcada por eles, e zelarem pelos interesses do povo, cumprir e fazer cumprir com todos os deveres constitucionais. Tão simples como isso, haja justiça, credibilidade, humanismo, e seriedade.     

Por isso, despertar para a vida podia ser muito lindo se este mundo fosse colorido, de corações abertos como rosas, de pétalas sempre frescas e sensíveis. Não sendo assim, não tem sentido nem lógica despertar par uma vida que não é nossa! Não podemos atribuir o nosso destino à nossa sorte! Que sorte? Mas temos que nascer todos com sorte para viver? Porquê? Não digam que a vida neste mundo é só para sortudos? E quem dita essa lei? Ninguém! Ninguém manda na vida, ela é uma causa natural e é de todos, todos devem ter uma vida digna e sustentável, os governantes têm o direito e a responsabilidade de zelar por esta causa, gerirem e organizarem todos os meios necessários para o desenvolvimento equilibrado em pé de igualdade, no sentido de preservar a vida a todo o custo, olhando às necessidades de cada um, mas de forma universal, e não da própria, dos seus familiares e amigos mais chegados.

Chegamos a um ponto em que já desprezamos a vida, e há muita gente a pensar que a morte é a solução, tudo por culpa de uma sociedade degradante, governos cada vez mais diabólicos e sem escrúpulos, dando todo o interesse e valor ao dinheiro, preocupadíssimos em salvar a economia, desprezando sinicamente os valores humanos, massacrando os povos por causa de uma crise inventada por eles, por tanto terem roubado o erário público, e para cúmulo, fazem o povo pagar de novo o que já era do povo, ridiculamente odioso. Passar por este mundo, é uma desilusão para uma imensa maioria de escravos, e uma ilusão para uma imensa minoria abastada e obscura. Despertar do quê e para quê?


Uma enorme imbecilidade


Os seres humanos por muito que tentem ser inteligentes, vão ter que continuar a ser o que sempre foram e sempre serão, se não houver uma rejuvenescência intelectual verdadeiramente radical, no sentido de esquecer de vez a imbecilidade, e pensar que não é a única força poderosa neste mundo, muito menos neste universo, em que tudo tem um sentido e uma forte razão de ser, mas que não é a inteligência que revoluciona e transforma toda a matéria existente no universo, mas sim a metamorfose própria e natural de tudo o que existe. Ou seja, se tudo o que existe é simplesmente matéria, e da qual nós humanos fazemos parte, e tudo parece tão perfeito no espaço sideral! Por que carga de água, tinha que haver seres inteligentes com tão pouca perfeição? Principalmente quando se fala de senso, honestidade, sinceridade, sensibilidade, respeito moral e emocional perante os próximos. É terrivelmente degradante o que frequentemente ouvimos dos políticos e empresários da nossa praça, e infelizmente não é só na nossa, mas em todo o mundo, muitas vezes ficamos incrédulos, como é possível, pessoas de tão alto nível, tal como grandes empresários e gerentes, chefes de governo e de estado, do mais alto nível até aos mais baixos, serem tão insensíveis, a ponto de dizerem tanta asneira, e com uma arrogância atroz, que para o público em geral, são verdadeiras chibatadas psicológicas. Pois normalmente, estas pessoas que tiveram formação para lidar com o povo de uma nação, que governam, gerem e dizem ser o exemplo primordial e todo-poderoso, não podem, ou não deviam pensar que eles são reis e senhores do universo, e que podem fazer o que bem lhes apetece, mesmo serem arrogantes e ditarem todas as leis.

A procederem assim, não podemos considerar que tais pessoas façam parte de uma comunidade socialmente digna de humanismo e inteligência, fazem parte é de uma imbecilidade doentia, de uma atitude fascista, ditatorial, assassina e massacrante. Que autoridade tem estes senhores, de rebaixar a sociedade, humilhar e menosprezar a ponto de até insultar, com palavras tão impróprias, e que se dizem ser tão inteligentes, muito ricos, demasiado ricos, e de uma cultura acima da média.

São muitas situações destas, são tantas que não é possível descreve-las todas, umas mais marcantes que outras, mas muitas ferem mesmo as pessoas, mas a que me levou a escrever este texto, foi algumas das últimas atitudes e afirmações de gerentes e responsáveis máximos de empresas bancárias, e já nem vou citar as afirmações de alguns políticos, pois esses já considero um caso perdido e de nenhuma credibilidade.

As últimas afirmações ou comentários de um presidente de um banco sobre o problema da situação financeiro do país foi: Se os sem-abrigo aguentam, porque é que nós não aguentamos? É claro que ao dizer nós, se referia aos portugueses, mas o pior é que os portugueses não são todos empresários, muito menos banqueiros ou políticos, mas também não têm que ser todos sem-abrigo. Ora, para este senhor é muito fácil dizer isto, porque ele vive muito bem, não lhe falta nada, tem um rendimento mensal brutal! As desgraçadinhas das pessoas que depositam no seu banco as miseras economias, e contribuem assim para a sua grandeza! E ainda tem o apoio do Estado! É claro que ele aguenta! Para qualquer pessoa que se preze, estas afirmações são ultrajantes. Assim como outra situação, num outro banco, um episódio não menos odioso, foi a atitude de um gerente, que recusou o atendimento de um cliente ao balcão, por este se apresentar com roupa de trabalho, este cliente, também empresário, mas de um nível inferior, pois o trabalho dele é no ramo automóvel, e apesar de ser o dono, também faz os trabalhos sujos na sua oficina de mecânica, o senhor nunca pensou que para ir a um banco como cliente tinha que ir minimamente apresentável, pelo menos naquele balcão, depois de uma pequena discussão dentro da sucursal, o senhor foi conduzido ao exterior do banco, indignado, o cliente chamou a polícia, e apresenta queixa de que foi impedido de levantar o cheque junto ao balcão por causa da roupa suja, mas que a mesma ainda não estava suja, apenas tinha manchas de óleo, que mesmo lavando permanecem na roupa como é normal, pois mesmo na presença das autoridades, o senhor gerente entregou a quantia em dinheiro do valor do cheque na rua, o que o cliente tomou a atitude como humilhante e intolerável, e que as coisas não iam ficar assim.

Estudos recentes afirmavam que os portugueses depositam mais confiança em algumas empresas e empresários que em políticos, mas infelizmente as coisas parecem estar a generalizar-se, pois já nem nas empresas nem nos empresários podemos confiar, e o pior é que tem vindo a piorar, infelizmente. Enfim, são sinais dos tempos, ou pior, os tempos de um sinal qualquer, talvez o do fim, talvez da mudança, talvez da destruição dos troglodita e das mentalidades amorfas, dos egoísmos, da paixão pelo poder e a doentia vaidade de superioridade. Quando na realidade, todos os seres vivos tão depressa nascem e tão depressa morrem, e depois não passam de lixo cósmico a pairar no infinito espaço, onde tudo existe, mas na realidade, por ser infinito, tudo o que parece ser enorme, acaba por ser insignificante.