quarta-feira, 27 de março de 2013

E tudo a crise levou


Ao ver o que se passa nesta Europa e a promissora União Europeia, percebemos o que estava previsto desde o início do casamento, o divórcio não vai demorar muito. Esta Europa de ricos e muito ricos, pobres e muito pobres não vai dar certo, porque os interesses são demasiado grandes para que haja harmonia entre países, (como se isso fosse possível com gananciosos) imperialistas, interesseiros e oportunistas, que se tornou este velho Continente, que continua a arrastar-se pelas brumas constantes que sempre pairaram ao longo da história, e parece ser uma maldição eterna, em que, entre invasões, uniões, separações, nunca vai ter sossego. A juntar a isso, agora a guerra parece ser outra, (a guerra financeira de uma economia parasita e de criminosas especulações) por enquanto, o que não quer dizer que não venha a acontecer novamente mais uma guerra terrivelmente mortífera.

O que se está a passar é qualquer coisa de inacreditável, de inteira desconfiança e sem qualquer esperança, não é preciso ser muito inteligente para perceber que há mão muito poderosa nisto tudo, (muito mais que apenas corruptos parasitas, agentes económicos e gerentes empresariais a quererem enriquecer muito rápido) deve haver um outro grande interesse, e esse sim catastrófico, que será o colapso económico, não só da Europa, como do mundo inteiro, e isso está a ser conseguido, lentamente mas está. E esses interessados, por incrível que pareça, não são assim tantos como parece, embora tenham ´´um exercito,`` ou uma legião de ajudantes a trabalhar para eles, e que são muito bem compensados para isso, claro, minoria essa, que se designa por ELITE e que já são os principais donos do mundo, com 70% da riqueza mundial, já não falta muito para ser total. Desde que se formou a União Europeia, que o plano da globalização se tornou mais evidente, ganhou muito rapidamente adeptos e muito entusiasmo no seio das grandes empresas, mesmo entre países, e foi o que se viu, as grandes fusões empresariais, bancos, instituições, e a corrida desenfreada das privatizações, pois tudo isso era importante para eles. A crise é uma excelente oportunidade para quem tem muito dinheiro, fazem-se chorudos negócios, pois compra-se património ao Estado e aos privados que caem em desgraça, por muito menos dinheiro do que realmente vale, são os oportunistas da desgraça alheia.

Agora só falta juntar todo o dinheiro, e pôr toda a massa estupida de escravos, (o povo) a trabalhar de graça para os gigantones se sentirem inteiramente e estupidamente realizados, com a porcaria do mundo nas mãos, até que alguém se lembre de carregar no botão, e explodir com este planeta tão belo e carregado de idiotas, e pronto, assim acabar a história de um mundo em que algures no tempo, existiu vida, que teve trogloditas, que evoluíram e foram muito inteligentes, amavam o dinheiro, o poder, e autodestruíram-se por isso. Coitados de nós, que estúpidos que nós somos.  
      

segunda-feira, 25 de março de 2013

O dinheiro que eles roubaram, o que eles devem, e a quem!


Quando se fala em milhares de milhões de euros, ou dólares, muita gente tem dificuldade em calcular o que realmente representa fisicamente tanto dinheiro, mas o mais impressionante é que o dinheiro existe na mão de alguém, não fisicamente, mas em números. Pois na verdade, a economia baseia-se em números, e por isso, como não é representado em camiões carregados de notas, não tenham a noção da quantidade que roubam, tão pouco o que têm. Enfim, é pena que estes camiões não andem a passear pelas ruas, podia ser uma maneira de sermos todos, justos ladrões.

Mas como o dinheiro é virtual, e como escrever números não custa nada, é muito fácil falar de milhares de milhões, o difícil é cair na realidade, e quando fazem as contas há sempre erros, que muitas vezes são imputados aos ´´computadores`` coitados, não pensam! E no meio disso tudo, quem vai ter que pagar? Imaginem, são os mesmos de sempre, aqueles que trabalham no duro o ano inteiro, para ganhar um único maço de notas no valor de (10000 euros) como o que se vê no início do vídeo.

quarta-feira, 20 de março de 2013

Acordem portugueses suaves


O que está a acontecer a Portugal e aos portugueses é insustentável, é certo, mas o que mais me assusta, é o não haver uma solução possível, mesmo que se mude de governo. É que, pelo que tem sido habitual, (e está visto que mesmo que mudem as caras, a política é a mesma, e as malditas maçadoras promessas, enfadonhas, irritantes e insultuosas, visto que nunca se cumprem) são sempre os mesmos a sentarem-se na maldita poltrona do poder. São 4 anos de martírio com um governo PSD, depois são mais 4 anos com um governo PS, mas que no fundo, é igual ao PSD, ou cai nos mesmos erros, só muda a cor e as caras, mas a tragédia continua. E os partidos mais pequenos continuam pequenos, está visto que este povo ainda está aterrorizado com o que os antepassados, avós e pais lhes diziam a respeito do comunismo ou outras ideologias mais à esquerda. É chocante que as pessoas vejam os maus exemplos do que acontece em outros países, como aconteceu na antiga União Soviética, e o que acontece atualmente na China e Coreia do Norte. As pessoas confundem essas políticas e ideologias mais ditadoras como sejam todas assim, e por isso têm pavor das políticas radicais de esquerda, veem-nas como aterrorizantes. Mas raramente associam as políticas de direita aos exemplos dos ditadores de extrema-direita, como o terror nazi, a ganância salazarista e os muitos exemplos noutros países. É isso que não entendo, e por isso a minha indignação, não só por ver que os políticos não têm uma conduta séria, esclarecedora e convincente, e por isso não conseguirem consenso nem amorosidade para com o povo, e este está cada vez mais desconfiado e desorientado perante tanta mentira e falsas democracias, que no fundo, acabam por nos conduzir ao mesmo campo de concentração! Mas também por ver que o povo se acanha com suposições, ditos e não ditos, e pouco se esforçam para se informarem e optarem por uma ideologia própria, realista, e principalmente, ser um povo mais lutador, aproveitar a liberdade que ainda têm para impor, exigir direitos, dignidade, e travar os falsos democratas, oportunistas, de tomarem o poder com ganância e depois porem o povo de lado como se não existisse. Depois de conquistarem o poder que o povo lhes deu, passam logo à ação, com medidas completamente contrárias aquilo que tinham prometido nas campanhas eleitorais, e claro, logo tratam de resolver as vidinhas deles e dos amigos, apegam-se aos ditos populares, que diz: Quem parte e reparte e não fica com a melhor parte, ou é burro, ou não tem arte. Bem, eles burros não são, artistas, lá isso são, e dos bons, pelo menos na arte de roubar. Quanto às funções a que o povo lhes confiou, que seria zelar pelos interesses do país, criando estabilidade financeira e social, para que haja paz, harmonia, desenvolvimento económico, trabalho e dignidade para todos! Isso já não é com eles, e só dão provas de incompetência.

Então como é que ficamos? Para quê haver povo, se o povo não é gente? Pelo menos parece ser assim que os políticos consideram, pois com as atitudes que têm tido, parece que as pessoas são coisas, ou simples peças de um puzzle. Quando não há partidos nem políticos competentes, só há uma coisa a fazer, e temos um brilhante exemplo na Islândia, o povo pôs ordem na casa, castigou os corruptos e disseram aos políticos qual o caminho a seguir. O povo organizou-se, e ditou as leis, formando uma nova constituição, com regras duras para quem pisar o risco, e parece estar a resultar, pois quando o povo se impõe, o melhor é os senhores que estão a governar, cumpram as normas, porque são simples empregados ao serviço do povo, e como empregados que são, só têm que ser cumpridores, e assim, o patrão que é o povo, não fica zangado, e todos ganham com isso, o país cresce economicamente, a felicidade volta a ser de todos e todos vivem em harmonia. Na Islândia deu-se o exemplo ao mundo, que quem tem que ter mão de ferro, é o povo, e não os governos. 

terça-feira, 19 de março de 2013

Dez escândalos pagos pelos contribuintes


 

A promiscuidade entre a política e os negócios tem sido uma constante na vida do país nas últimas décadas. O esquerda.net selecionou dez casos que escandalizaram o país, beneficiando gente poderosa e próxima do círculo do poder às custas dos contribuintes. Dossier organizado por Luís Branco.

(Para ver todo o dossier, clique no link)

domingo, 17 de março de 2013

Onde vamos cortar mais?


Pois é Gaspar, tanto esfregastes que deixastes tudo teso como um pau, não sei como ainda não estás grávido! Fez como o diabo fez à coisa, cortou, cortou, que acabou por ficar sem nada! E agora? Bem, cabeças já não há, e estas não crescem para voltar a cortar! Mas há sempre umas unhas que crescem, e dá sempre para cortar outra vez, vamos lá cortar todos os cêntimos que os portugueses conseguirem ganhar! Vá lá, façam mais um esforço, nem que tenham que emigrar para irem ao pacote dos camones, sempre são mais uns trocados que entram na ranhura do nosso mealheiro.

Eu estou farto de dizer, que um dia não ia haver mais onde cortar, porque quando se corta uma coisa que não cresce, chega-se a um ponto que não dá para cortar mais! Mas será que ninguém sabe disso? Até que ponto um governo pode ser tão estupido que não veja isso? Será que ninguém tem poder para fazer uma avaliação ao governo, e que lhe diga que não é competente, tem que sair?

Desde que a crise internacional começou que eu disse que Portugal ia ser um dos países que ia sofrer imenso, e que seria o desastre total, devido à nossa fraqueza económica, por ter políticos incompetentes, corruptos, e de estarem habituados a governar um povo cego, conformado e hipócrita.

Não há muito mais a dizer, pelo menos da minha parte, chega-me o que tenho visto e ouvido, isto cansa, viver num país em que tudo está mal e todos protestam, mas no entanto nada muda, mesmo esta semana vimos na comunicação social, que as pessoas não estão satisfeitas com o governo, mas que a oposição também não convence, pois não, que novidade, mas mesmo assim, o partido do governo PSD está muito perto do da oposição PS, e o PSD até é o único partido que sobe! Ora, perante isto o que se pode dizer? Nada meus amigos, nada! Este país é um caso perdido, há coisas que nunca deviam existir, parecem coisas diabólicas, que teimam em não sair do inferno.

Perante isto e toda a situação que se vive neste país e até no mundo, apenas posso dizer: Feliz daqueles que estão no fim das suas vidas, porque quem cá ficar e os que por ai vem, terão uma enorme tormenta para enfrentar e a calmaria só voltará depois de uma colossal devastação.

Abram os olhos, defendam os vossos direitos, combatam os parasitas corruptos, exijam uma democracia social, e não governativa, vejam o que é doentio para a sociedade e exterminem, só assim haverá paz social e liberdade.

domingo, 10 de março de 2013

Amantes da violência


Como se não bastasse os dementes ditadores espalharem a violência só por orgulho da posição hierárquica e satânica de super-heróis, ainda temos os nossos queridos meios de áudio visual, a televisão, o cinema, a internet, os meios de comunicação social em geral, (que estão ao serviço das elites) a influenciar os dementes jovens delinquentes e não só, mas também os adultos e a sociedade em geral, com as comerciais campanhas de violência, com os péssimos programas que nos metem pelos olhos dentro, e as péssimas produções de cinema, que raramente nos ensinam algo de positivo, e quase sempre são de muita violência, com as respetivas armas sempre presentes, que mesmo sendo ficção, é sempre um bom ensinamento para quem quer praticar o mal. E os americanos, então, é o forte deles, dos realizadores e produtores de cinema, a maioria dos filmes são de guerra, de gângsteres e super polícias ou de terror. Não é por acaso que é na América onde acontecem mais massacres contra inocentes, pois grande parte da população tem autênticos arsenais em casa, muitas vezes sem a segurança adequada, está bem armada e treinada de nascença para a matança, e os jovens aprendem bem a lição do que veem nos filmes e nos jogos de computador, e estes são excelentes máquinas de lavagem aos sensíveis cérebros, coitados. São conhecidos por destemidos, brutos, violentos, fortes, vingativos, e amantes da guerra, nem sei porque é que se admiram e lamentam tanto quando o céu lhes cai na cabeça, e as desgraças acontecem! Deviam considerar normal, todo o mal que lhes acontece! Então, os guerreiros não choram, mesmo que as desgraças sejam com eles próprios! Ou só é giro quando se mata os outros? Mas o pior é que a peste alastrou a todo o mundo, e é mais que evidente, as influências de seguidores manipulados pela máquina mediática e capitalista.  

Na TV, programas educativos, se houver 10% já é muito, o resto é propaganda violenta e comercial. No cinema, dizem que o fantástico e a violência são o que a maioria do público gosta, ou seja, o que ensinaram o público a gostar, e por isso mais rentável, o que dá os milhões, que para eles é o mais importante, claro! Nos jogos, os joguinhos de estratégia inofensivos passaram à história, e os mais novos até dizem que são muito caretas e pré-históricos, coitadas das inteligências raras e avançadas, até os desenhos animados que a querida TV apresenta são de super-heróis destrutivos, excelentes ensinamentos para os nossos futuros doutores, engenheiros, professores, cientistas e líderes! Uau! Yáuuu! Yá meu! Tasse bem men.

É notório nos jovens e na sociedade em geral, uma falta de educação e com uma arrogância incríveis, e não é só por causa das dificuldades na vida, mas muito por causa das influências das modernices estupidificadas, liberalismos exagerados, grosseiros sem nexo e incontidos, muitos até acham que é giro, moderno e evoluído, ser grosseiro e sem ética, assusta-me ver jovens estudantes universitários, os futuros doutores que vão ter a responsabilidade de conduzir os destinos deste mundo, e como mostram tanta infantilidade, imprudência e leviandade, vejam bem como já está e para onde caminha este mundo, com ideias destas e a continuar assim, nem será preciso destrui-lo, ele próprio explodirá de vergonha. 

Lá virá o dia em que todos nós vamos odiar a violência e pensar, que estúpidos que nós fomos em adorar a violência, agora somos vítimas dela e o tempo esgota-se para a nossa salvação, só nos resta lamentar o nosso passado e os nossos professores da ignorância e estupida ilusão de que tudo não passaria de ficção, agora é real e é tarde para reparar os nossos erros. Espero estar enganado, mas sinceramente. Estou muito relutante a tudo e a todos, desconfio que o fim está próximo, eu digo isto porque é visível a escuridão no horizonte, não se vê, porque é difícil ver o que não se quer, é difícil ver porque as pessoas não pensam, nem querem ver a realidade, não veem porque estão muito preocupadas com a crise e em resolver o problema da dívida, não veem porque as suas vidas estão a ficar destroçadas, porque deram demasiado interesse à modernidade, mordomia e ao bem-estar a todo o custo, sem pensar nas consequências, mesmo que agora esteja em causa as nossas vidas.

Vamos assistir a uma incrível mudança no mundo, que poderá ser para melhor, mas primeiro será para pior, será feita uma limpeza radical, e só quem viver verá, se ficar alguém. O certo é que não se está a fazer muito para que as coisas mudem a tempo, o tempo escasseia e poderá ser irreversível, tanto a nível político como social, principalmente as mentalidades e inteligência, que tem evoluído para o desastre total.

sábado, 9 de março de 2013

O planeta dos tristes


Desde que nasci que ainda não vi qualquer motivo que se possa dizer que este mundo seja o melhor sitio para se viver, e que a vida seja assim um privilégio tão grande para que todos possamos dizer que vale a pena viver. É que o infortúnio é tão imenso que se sobrepõe à grandeza de todos aqueles que se dizem ser felizes e amam a vida, só estes se agarram à vida com todas as forças, e até na hora da morte se recusam a morrer fazendo quase o milagre de continuarem a viver mesmo depois de se confirmar que realmente já morreram.

Não vejo nada que se possa apontar de bom no que nos rodeia, vejo muita sombra, tristeza, mágoa, revolta, raiva, ódio, hipocrisia, charlatanice, falsidade, vaidade, ganancia, miséria. Só pode ver algo de bom, quem vira as costas a estes males e defeitos, despreza a realidade obscura, e esconde-se na beleza falsa das maravilhas e burguesias deste mundo, que afinal é só daqueles que tiveram a sorte de nascer num berço dourado, enquanto os bezerros, a maioria dos seres mortais comuns, esfregam o rabo pelas esquinas na tentativa de chegar ao fim das suas vidas, sobrevivendo, passando todo o tempo a tentar colar os pedaços estilhaçados de suas vidas sem sucesso.

Mais dramático é ver os bezerros tristes e desgraçados, ainda olharem para o outro mundo, o da felicidade, abundância e todo-poderoso ser superior, como deuses e os seguem com toda a religiosidade e serventia, que dá dó. É ultrajante o quanto se arrastam as multidões fanáticas por seus lideres, políticos, religiosos, e mesmo até as mais simples personalidades do cinema e da música, e pior, os charlatães de toda a espécie, com crendices horrendas e descaradamente criminosas.

Este blogue é de opinião, e por isso expresso os meus sentimentos e o que penso, e como quase ninguém lê o que escrevo, também não é muito prejudicial a quem pensa o contrário, há pessoas que nas horas vagas vão ao futebol, eu escrevo os meus pensamentos. Revolta-me ver todo o fanatismo envolvente e carismático dos líderes políticos ou religiosos, quando na verdade são eles que nos massacram e manipulam como se fossemos todos, um rebanho de carneiros, não entendo tanto ênfase e interesse absoluto por estas pessoas que se tornam deuses demoníacos, que conseguem convencer os povos, de que são seus derradeiros defensores, mas que na verdade, arrastam os cordeirinhos para o abismo, e de tão cegos que estão até aceitam o sacrifício de se atirarem no vazio sem hesitar, em nome do mestre.

Normalmente são precisamente as personalidades de grandes fortunas e poder político, as que mais são louvadas pelas multidões, quer dizer, as pessoas gostam de ver seus deuses a transbordar de riqueza, fama e poder, mesmo que sofram da mais triste miséria, que normalmente é causada por eles, os grandes estadistas e grandes ditadores. Eu fico triste e horrorizado, ver o povo a rastejar aos pés de ditadores que tão mal os trata, e que até impõem que o povo lhes preste vassalagem. É triste que se preste homenagens com cerimónias absurdas, pitorescas, fantasmagóricas, faraónicas e mediáticas, seja na ascensão ao poder ou na morte, só porque têm o poder de dominar quem lhes deu todo o ser, o povo, que se deixou embebedar pela demagogia.

É revoltante que neste mundo, ainda vejamos povos a aplaudir líderes que fomentam a guerra e ameaçam outros países, com tom arrogante como se fossem portadores de todas as virtudes e razões, temos hoje vários países em que seus líderes agem assim mesmo contra a vontade da maioria dos outros países, enfrentando mesmo a ONU, que pelos vistos não tem um papel muito valorizado pelos infratores, isto é dramático e aterrorizante.

Dizem que a história nos ensina, e tem-nos mostrado tremendas tragédias, e todos condenam, mas no entanto, devemos ser todos masoquistas, pois adoramos cometer sempre os mesmos erros, condenamos mais depressa o nosso vizinho que os nossos líderes, por outro lado, os líderes na vez de evitar os mesmos erros do passado, limitam-se a seguir os mesmos passos, e assim será até ao golpe final.

Triste mundo é este, de fanfarrões, hipócritas, que jogam com as vidas das pessoas como faziam com os brinquedos das suas infâncias, subjugando vidas humanas na ironia do destino, só com o objetivo de conquistar altivez e o poder imperial, mas que no fim tudo se desmoronará e nada ficará de pé, mesmo imortalizando seus corpos, nunca passarão de simples lembranças e contos de fadas diabólicas e emblemáticas.


quarta-feira, 6 de março de 2013

SARCASTICAMENTE ODIOSO


Os senhores reformados, com pensões milionárias, decidiram formar o movimento dos reformados indignados! Coitadinhos, vejam bem a injustiça que fizeram com estes desgraçadinhos! Pensões de milhares de euros foram reduzidas, em alguns casos para metade, para contribuir para a solidariedade social, imaginem, uma reforma miserável de 40000 euros, passou para 20000! Mas que desgraça! Como é que estes senhores vão poder manter as suas famílias! Como é que vão poder trocar o Mercedes que já tem 2 anos, o Porsche do filho que já tem um arranhão, o BMW da mulher e o Audi da filha pelo modelo mais recente!

E quando o jornalista fez a pergunta a um dos autores deste movimento, o que achava dos reformados que têm pensões de 300 euros, ele disse que estes eram heróis. Ora, ora, heróis, é pouco, são sim, mártires da Pátria, são desgraçados que nem sardinhas podem comer, vivem de pão e água, mas os senhores capitalistas, ficam indignados por lhes tirarem algum dinheiro das suas reformas para a solidariedade social, assim se vê o espirito solidário destes senhores, vê-se que eles só olham para os interesses deles, não fazem a mínima ideia do que é sofrer. Pois meus senhores, os pobres são tão dignos de viver como vós, tenham vergonha e um pouco de humanismo, somos todos seres humanos, e ninguém tem culpa de ter má sorte na vida, mas também devia ser compreensível da vossa parte, que todos têm o direito à vida e viver minimamente com dignidade, por isso, um pouco de solidariedade da vossa parte não vos faz mal nenhum e o mundo ficaria mais colorido e mais justo.

Dizem eles, que não é justo que lhes seja tirado o que é deles, que descontaram o suficiente para ter estas reformas milionárias! Pois sim, até poderá ser, mas, e os cortes que os pobres estão a ter, é justo? É justo tirarem a quem já tem pouco? É justo cortar no salário a quem trabalha no duro? Quem pode reduzir melhor às despesas mensais? Os pobres, ou os ricos? Pensem bem, os sacrifícios para os milionários, apenas vai reduzir às mordomias, como ter uma casa mais modesta na vez de uma mansão, automóveis menos luxuosos, e não desperdiçar alimentos, tudo isto é possível sem prejudicar o modo de vida, com toda a comodidade e conforto que têm direito, mas de modo sustentável, e o planeta agradece. Por outro lado, tirar aos pobres é condena-los à miséria total, é priva-los de viver e atira-los para o lixo como se fossem máquinas em fim de vida, mas que enquanto trabalharam, deram o seu contributo para o desenvolvimento, enriquecimento do país e destes senhores que foram empresários, banqueiros, políticos, etc.

Por isso todos temos o direito ao que nos pertence, uns mais que outros é certo, mas tudo tem limites, e os limites são, o valor que cada um tem, mas justo, e não uns terem tudo e outros nada, as desigualdades são enormes, e por isso estes senhores não podem falar de injustiça, quando lhes tiram alguns milhares de euros, quando ainda ficam com muitos milhares para juntar aos milhões que já têm. Pensem bem no que é injustiça, quando condenam um povo a pagar uma divida que não contraiu, e os principais causadores do desastre económico continuam impunes, nunca pagarão o que roubaram e ainda fazem escárnio dos escravos que fomentaram seus impérios. Será justo dizer que o povo tem que aguentar com o pouco que tem, porque os sem-abrigo que não têm nada também aguentam, como disse um diretor de um banco, o que é de lamentar, que uma pessoa deste nível faça tais afirmações, odiosas e insultuosas.

Tenham vergonha da vossa indignação, a vossa indignação é de ganância, não é indignação por necessidade, por passar fome, as vossas reformas douradas são exageradamente elevadas, descabidas num país miserável, num país em que até o próprio Presidente da Republica abdica do seu salário, e prefere as várias reformas que recebe, porque são de valor muito mais elevado, e que mesmo assim se queixa que não chega para as suas despesas, isto é uma vergonha e um total desprezo pela vida humana, um insulto imperdoável, isto é revoltante demais para os que mais sofrem, só estes senhores habituados à abundância não veem a miséria que há pelo país e pelo mundo.      


domingo, 3 de março de 2013

Que se lixe a troika e o governo, o povo é quem mais ordena


Depois de tantas manifestações a condenar de forma feroz, a estupida, desastrosa, e assassina governação, continuam a não dar importância, não ouvem, não desistem de fazer asneiras, e desvalorizam as manifestações, tratando as manifestações como se fosse apenas uma festa do povo. Será que é preciso pegar em armas, para os tirar do poder outra vez? Isso já aconteceu uma vez! Mas se acham que é preciso, até seria uma boa ideia, porque assim fazia-se a limpeza que não se fez da outra vez, ainda há muitas teias de aranha naqueles claustros de monos que teimam em não respeitar a vontade do povo, e zelar pelos interesses do povo. Ainda não perceberam, que o povo é quem mais ordena! A não ser que realmente estejamos numa ditadura, e não numa democracia.

É de realçar estas grandiosas manifestações que são realizadas e organizadas por simples cidadãos, (que faz qualquer porcaria de político roer-se de inveja) que têm mostrado grande maturidade, empenho e bravura na legítima luta contra o fascismo e o capitalismo selvagem que nos atormenta de novo. Para estes cidadãos que apenas querem uma vida digna para eles e para o povo, e mandam lixar todos os políticos, os sinceros parabéns e obrigado.