terça-feira, 28 de outubro de 2014

David e Golias


Soares dos Santos ganha 108 vezes mais do que os seus trabalhadores 

Estudo revela que a desigualdade salarial é subestimada o que segundo defende o Nobel da Economia Paul Krugman, se deve ao facto de os mais ricos dos ricos serem virtualmente ´´invisíveis`` para o resto da população. No caso português, os CEO`s das grandes empresas ganham, em média 53 vezes mais que os restantes trabalhadores.  

- Desobedeça, não compre o que não precisa e evite comprar o que precisa, não pague tudo o que lhe pedem para pagar, não caia em contos do vigário, proteste sempre que achar que o estão a enganar, não pague taxas do que não beneficia, abandone seu emprego e seu ordenado minúsculo, deixe de ser escravo, tenha vida própria, abandone a cidade, procure o campo, cultive a sua terra, semeie, plante e colha só para si, viva livre e saudável, longe do mau cheiro civilizado e opressor.

Este não é um bom conselho? Pois não! Entre o céu e o inferno, escolhemos sempre o inferno, porque o céu é muito difícil conquistar, o inferno é muito mais fácil conquistar, ou melhor, todos procuramos o céu no inferno, ah! ah! ah! Que parvos que nós somos!


O desemprego é uma grande oportunidade



Durão Barroso sai de Bruxelas com pensão milionária

O ainda Presidente da Comissão Europeia e ex-primeiro-ministro vai receber mais de 367 mil euros em subsídios, 11 mil euros mensais de pensão vitalícia e um salário extra de 25 mil euros, ao que acrescem despesas de deslocação, quando abandonar o cargo de Bruxelas. 

-Pois é, quem não gostava de ficar desempregado assim, com todas estas mordomias? Estes senhores ficam melhor economicamente quando saem dos cargos que ocupam, porque realmente eles são pagos para não fazerem nada, e quando deixam de ser malandros pagam-lhes para continuarem na profissão de manguela, ou arranjam logo outro emprego para não fazerem nada. Justo? Não! E o povo vê? Não! O povo acha que eles merecem! Afinal são doutores caramba! E é preciso receberem tanto dinheiro? Claro! Então! Se há tanto dinheiro, deve-se distribuir pelos amigos. E o povo pá? Isso não é gente pá! Aumentem-lhes mais os impostos e o custo de vida, baixem-lhes mais os salários e os subsídios pá.
 

terça-feira, 21 de outubro de 2014

O monstro que há em nós



Um dos maiores flagelos da humanidade é sem dúvida, os homicídios, praticados por diversos motivos, ou até sem motivos aparentes, uma doença que nem sempre é diagnosticada a tempo de prevenir certas atitudes, muitas vezes nem há sintomas da sua existência, vivem silenciosamente em sociedade livremente e em família como pessoas normais que são, como todos nós, aparentemente, até que um dia as coisas acontecem, uma tragédia acontece, e para espanto de todos, os atos criminosos surgem de quem menos se espera, incrédulos ficamos, como tal foi possível acontecer. Por motivos passionais, por dificuldades económicas, por ciúmes doentios, por desconfiança, por ódios, por ganância nas partilhas de património ou pura e simplesmente por instinto de praticar o mal gratuitamente, os últimos casos noticiados são mais marcantes, por se tratar no seio de famílias, o que torna estes casos mais dramáticos, e nos deixa a pensar o porquê de tal atitude e se o motivo era tão grave assim para que o homicida levasse a cabo tal prática, dificilmente se sabe em concreto o que se passa em casa das pessoas e nas suas vidas privadas, mas seja qual for o motivo de desavenças, nunca justifica o ato criminoso, desde logo é condenável que se chegue a estes termos.

Mas porquê isto acontece? Pois! Nem a medicina dá uma resposta imediata e nem sempre a cura, e quem sofre destes problemas mentais, nem sempre, ou nunca procura ajuda para se tratar a tempo, por preconceito, porque não reconhece os sintomas, porque não quer, ou porque não tem posses económicas para o fazer, há de tudo.

Então o que fazer? Infelizmente pouco se pode fazer ou nada, principalmente para os casos em que as pessoas não aparentam quaisquer indícios de atitudes anormais, para que se possa tomar medidas preventivas, e como não se sabe que ideias ou pensamentos passam pela mente das pessoas, não se pode fazer nada, o monstro que há em nós, vai permanecer silencioso até ao dia em que explode, o acumular de uma serie de acontecimentos na nossa vida, com motivo ou sem motivo, são a causa, muitas vezes infundada de tais atitudes, mas que nem sempre se pode controlar, e isso pode acontecer com qualquer um de nós. E os que sofrem desta doença mental, nem todos são vigiados ou tratados de modo adequado, para evitar que o mal aconteça, todos sabemos que muitos vivem em sociedade livremente e que é reconhecida a doença por todos, mas nada se faz para prevenir o pior, os familiares não têm meios para os tratamentos, as instituições insuficientes ou a pagar um preço que não é para todos.

Este ano 2014, em Portugal o número de vítimas por homicídio já é grande demais, principalmente os casos de violência doméstica, motivo suficiente para que se repense neste caso, pois é caso para pensarmos: Se o número de loucos está a aumentar, será que estamos a ficar todos loucos também? E os nossos governantes, o que têm feito? Eu fico por aqui. 
    

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Será possível vencer o monstro?



Dossier: Estado Islâmico: O que é, quem o financia, o que pretende?


- Muito se escreveu e alertou para o perigo de o terrorismo se tornar indestrutível e provavelmente nunca será derrotado, pelo contrário, cada vez terá mais força, não só por terem um bom financiamento, mas também pelo apoio de seguidores ocidentais e de todo o mundo, que escolhem o terror por vingança aos governantes dos seus países de origem e encontram ali um oásis de revolta pelos seus objetivos. Claro que todos nós repudiamos este tipo de luta, mas num mundo em decadência e hipócrita por parte dos falsos príncipes engalanados governantes do mundo, e por práticas pouco convincentes de politicas desastrosas, capitalistas e interesseiras, onde se pratica a demagogia, onde se diz uma coisa e se faz outra completamente diferente, é como eu já disse muitas vezes, criam os monstros para depois os combater. E quem sofre são sempre os inocentes, porque os culpados sempre se defendem muito bem. No meio destes acontecimentos todos que estamos a assistir, alguém espera que aconteça algo de bom? Claro que não! E a culpa é dos terroristas? Êh pá! Quem é o culpado por haver assassinos? Alguém nasce assassino? Não! Os assassinos criam-se a partir de certa altura na vida, quando se proporcionam as circunstâncias da raiva, do ódio, da vingança, quando se perde tudo e já nada faz sentido. Digamos que os bons rapazes querem tudo para eles e não dão qualquer oportunidade aos outros de se governarem, assim nunca poderá haver paz nem acordo possível entre os bichinhos cá da terra. Tanto mal fazemos aos outros, que quando o mal nos cai em cima, ficamos admirados de tanto mal que nos fazem.