quarta-feira, 29 de julho de 2015

Tapar um buraco e abrir uma cratera



Eu já fiz esta pergunta neste blogue, recentemente: Para onde vai tanto dinheiro? Bom, se analisarmos o gráfico e lermos o texto que o Esquerda net divulga, (clique no link acima) vemos que na Grécia, assim como Portugal e muitos outros países, continuam a abrir buracos para tapar outros, e ainda financiam ou alimentam monstros insaciáveis. O FMI já descobriu que a dívida grega é insustentável, finalmente! Parece que foram os últimos a descobrir tal facto, mas a solução que propõem, é apenas prolongar o problema por muitas gerações, e já era razoável, se realmente fosse uma solução, mas pode ainda não ser, há doenças que só a morte é a cura.      
  

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Mais do mesmo


Mais uma rodada, que esta mesa está às escuras, ou mais uma cachimbada para ficarmos todos acesos, o povo adormecido é mais fácil ser vencido. Já sabemos que antes do 25 de abril de 1974 havia uma ditadura fascista e que depois, tudo se fez para que a ditadura continuasse com um nome mais simpático, (democracia) a democracia embrulhada numa mortalha onde se enrola aquela maconha que faz rir, tem sido assim e já lá vão mais de 40 anos, sempre na mesma rotina, sempre a repetir a mesma embriaguez política, sempre as mesmas caras e sempre a mesma demagogia. Para cúmulo, temos um Presidente que poderá ficar na história como o Presidente mais partidário em tempo da dita democracia, e como tem sido habitual, dar a mãozinha ao governo que é da sua cor partidária, mais uma vez deu a entender que nas próximas eleições legislativas, se deve eleger um governo com maioria absoluta, para dar estabilidade à governação, e até deu a entender que se isso não acontecer, poderá não dar legitimidade a um governo que não atinja esses objetivos. O que dá a entender que está a dar um ultimato aos portugueses, para votarem em massa num dos dois maiores partidos, que como sabemos, são os mesmos de sempre, PS ou PSD, mas no fundo, o que ele quer mesmo, é que o povo vote em massa na coligação PSD/CDS-PP. Mas como também sabemos que não podemos esperar milagres nem de um nem de outro, o que tem acontecido é uma grande divisão dos portugueses na escolha entre estes dois partidos, é a decadência dos partidos tradicionais, que já mostraram tudo o que valem, e já toda a gente viu que não valem nada. Por isso, as palavras do Senhor Presidente podem ser entendidas como uma pressão para uma união entre estes tradicionais partidos, PS, PSD, o que seria o agudizar da tal ditadura democrática, (termo que se tem vindo a aplicar, pelos inconformados deste sistema político). Coisa impensável! Diz o PS, e o PSD também não mostra muito interesse, mas até poderia aceitar, só para poder permanecer no poder. Mas isto podia ser possível, como foi entre o PSD e CDS, este último, CDS que antes de estar coligado tanto criticava o PSD, principalmente quando este estava no governo, agora que consegui o que queria é um fã incondicional do PSD e seu líder. Como as coisas mudam entre eles quando há interesses. Mas quanto ao País, nada muda, continuaremos a ter mais do mesmo ano após ano, até que a morte nos tire deste inferno.                 

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Tubarão 3


Eu sempre disse que os partidos são todos iguais, mas muita gente me criticou por isso, (coitados, são os que ainda acreditam em milagres) mas a verdade é que o radicalismo de esquerda depressa quebra a euforia e ainda mais rápido cai nas garras dos tubarões, logo são devorados, pois a pressão é enorme e os mais fracos não têm outro remédio senão renderem-se. Foi o que aconteceu na Grécia, o povo votou em massa no partido que dizia ir contra tudo e contra todos, o povo votou em massa num referendo que dizia não a tudo e a todos, muitos meses de teatro depois, eis um acordo que vai continuar com o massacre dos inocentes, um acordo que parece ser um remédio para uma doença incurável, o não haver acordo seria o veneno para acabar com a doença, seria o divórcio da peçonhenta U.E., e até o desmoronar da União dos vampiros e dos monstruosos mamíferos e carnívoros parasitas que dominam o mundo. Um terceiro resgate para a Grécia é mais sufoco para o povo, é mais miséria, é mais dívida insuportável e impagável, o que já não tinha solução, menos solução vai ter no futuro muito próximo. Vemos e ouvimos na comunicação social, milhares de horas de conversa fiada, milhões de páginas de jornal escritas com tretas e mais tretas, e não se fala muito, nem se sabe, nem ninguém está interessado em procurar saber, para onde vai tanto dinheiro! Como é que o dinheiro se evapora? Que poço é esse onde cabe tanto dinheiro e nunca está cheio? A única conclusão que se pode tirar disto tudo é o colapso económico a nível mundial. Quando uma casa está em ruínas, a melhor solução é a demolição e construir de novo, e isso é o que alguns querem, os donos do mundo querem uma casa nova, mas só para eles.   


A esquerda radical está definitivamente aniquilada na Europa e em breve será erradicada do mundo, e só o radicalismo fascista de direita prevalecerá, será o paraíso para os tubarões do capital avançarem em direção aos cardumes de peixe miúdo que será devorado sem dó nem piedade. Lembro aqui, o que está a acontecer na economia da China, a segunda e única maior economia do mundo que esteve, e estava habituada a crescer, e só em crescer é que se falava e era a palavra de ordem! Pois é, mas há um revés, o crescimento já é agora incerto e a tendência pode ser para descer, descer, até ao ponto de um provável colapso. E depois, o que nos vai acontecer? A chamada bolha na China é enorme, poderá ser maior que a americana, europeia, ou maior que as duas juntas! Teremos na China um novo crash como o de 1929 nos Estados Unidos da América? Ou teremos o crash global e o desastre total?